7/01/2011

Uma chance para Strauss-kahn


PARIS e NOVA YORK - Promotores de Nova York que aceitaram a libertação de Dominique Strauss-Kahn alegaram em carta enviada aos advogados do réu que a camareira que o acusa de agressão sexual mentiu sobre sua reação ao suposto ataque. As inconsistências levaram a Justiça a questionar sua credibilidade e revogar a prisão domiciliar de Strauss-Kahn, que terá o valor da fiança de US$ 6 milhões restituído, mas não poderá deixar os EUA antes do fim do processo.
A camareira inicialmente disse aos promotores e ao júri do caso que deixou o quarto onde estava o francês, foi para o hall do hotel, esperou que ele saísse, e informou seu supervisor sobre o que tinha acontecido.
"A autora desde então admitiu que esse relato era falso e que depois do incidente na suíte 2806, ela foi limpar um quarto próximo e depois voltou para a suíte 2806 e começou a limpar essa suíte antes de reportar o incidente do supervisor", diz a carta enviada aos advogados de Strauss-Kahn.
- Entendo que as circunstâncias deste caso mudaram substancialmente e estou de acordo que o risco de que ele não se apresente diminuiu bastante. Libero o senhor Strauss-Kahn sob sua palavra - disse na corte o juiz Michael Obus.
O advogado da vítima negou que ela tenha caído em contradição. A informação foi veiculada inicialmente na noite de terça-feira pelo site do jornal "New York Times".
A defesa de Strauss-Kahn vai pedir a desconsideração de todas as acusações apresentadas contra seu cliente. Já o advogado de Nafissatou Diallo - a camareira da Guiné que acusa o francês - criticou a Justiça.
- A vítima pode ter cometido alguns erros, mas isso não significa que ela não é uma vítima de estupro - afirmou Kenneth Thompson ao deixar o tribunal. - Ela nunca mudou nem uma única coisa sobre o relato. O promotor do distrito sabe disso. Foi verdade no dia em que aconteceu. É verdade hoje.

Comento:Eu ja desconfiava desta camareira,acusa alguem de estupro e muito fácil pois a unica testemunha sao as 4 paredes.
Acusa pessoas de estupro esta virando uma industria de indenização.


No comments: